Home » Sem categoria » APORTE ORIÁ

APORTE ORIÁ

Ah… Coração que se põe a bater destrambelhado como se perdesse o foco

Sem senso de ritmos, sem gosto, perdeste o interesse do beat.

 

Que meu osso range que meu sangue gele que me faça de novo ovo

Pois de meus pecados!  Os Perdoo todos!

 

Fiz por merecer ser humano negro, urbanoide, observador das massas, dos líquidos e do gasoso.

 

Sou fresco chuvoso húmido, sou o que pude ser, sou único, sou o que posso ser.

Nem sou mais, sou o quanto menos, sou todo insano. Sou capaz de sobre voar erguido por meu manto de pano.

 

De transformar-me no Orixá que brilha nos céus em pleno domínio do plano.

Para que me proteja enquanto cumpro meu momento pelos trópicos, integro humano.

 

Haverá o medo é certo! Do incerto e do profano.  Já não ha tempo ao insensato, o inseguro me fez destemido e vos brindo pelas agruras de um tempo em que não havia sapiens, quem sabe! O próprio tempo; – a criação da vossa mente santa, o verbo.

 

Ah… Palavra! Já era hora de sua luz reluzir nas folhas rígidas do papel em branco, brilhar nos prismas que se formam nas cristas das tintas. Filtrar o brilho fosco daquele que se vira para o oeste, para que sua magnitude não ofusque o tino do venusiano Oxum, aquele que abriga o dom da vida.

 

Faz-nos juvenil o tempo, nos aqueça o corpo enquanto passa por essas orexias paisagens, pois o sol, fora se junto à primavera. Resta-nos agora somente a melancolia que a noite traz, a musica no volume baixo, embora todas as manhas fossem plenamente brilhantes e as tardes sopram as brisas frescas no vácuo da sua passagem.

 

No lusco fusco sigo teus rastros enquanto caminhas em desalinho com os passos que o mundo da, espiraladas voltas em torno do torso delgado e gentil das avencas no jardim, dos espinhos da roseira sem flor. Passa sobre planas pedras carmim, mosaico de azaleias ao fundo.

 

Sem pressa admira a maravilha salpicada pelas gotas de sereno que lhe cai leve insonoro, nas flores de maio.  Rainhas dos raios do sol em rinhas com a garoa fina no dia que se aproxima.

 

Na língua, ainda restam os resíduos do vinho tomado sob lençóis de linho que cobriam nossa nudez,  desvairados sob a cama donde a pouco nus, nos roçávamos preguiçosamente com dignos espasmos do gozo sano enquanto a terra nos clama.

 

Oxóssi! Oh caçador! Guerreiro de uma única flecha! Rei das Mata e de todo os seus sete encantos, Rei do meu corpo tomado, domado, formado por lama esculpido do sopro divino.

 

Pai da Inspiração e da Esperança dê-me as bênçãos da vida! Inspira-me os órgãos, dai-me também alma! Mesmo que seja somente em pensamentos.

 

Ajude-me nos sustentos, faça minha fé, a fim de que possa passar por meus devaneios, incólume…

 

Assim como meus deveres por este mundo afora seja de graças.

 

Com a força que trazes no cerne do âmago, Indica-me com sua flecha sagrada os caminhos, os augúrios de ser humano, o domínio do poeta, destemido guerreiro.

 

Okê arô!

mario

Mário Inácio de Oliveira, empresário, poeta e observador comportamental.

 

 

About Vanessa Saad

Produtora, Terapeuta Holística, Fitoterapeuta e Proprietária da empresa Sementes da Lua.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

BIGTheme.net • Free Website Templates - Downlaod Full Themes